Aposte no Uso de Pisos Drenantes Para Determinadas Áreas da Casa

Em tempos em que a postura das pessoas deve ser ecologicamente correta, há uma diversidade de novas propostas no mercado de decoração, tanto de interiores quanto de exteriores. E uma dessas apostas do mercado são os pisos drenantes.

Para quem não sabe do que se trata, são pisos que podem ser colocados tanto em áreas externas quanto em determinadas áreas internas e que tem por finalidade deixar que a água de chuva ou lavagens drenem a água para o solo.

Nas áreas externas, a escola por estes pisos drenantes ajuda a evitar, por exemplo, encharcamentos indesejáveis, em especial em temporadas de chuvas.  Esses pisos são ideias para beiras de piscinas, calçadas e outros espaços que ficam constantemente sujeitos a serem molhados. Por isso, os revestimentos drenantes são uma solução tecnológica e sustentável para evitar acidentes e deixar os projetos esteticamente belos. Eles ainda podem ser utilizados como um belo acabamento em utilizado para garagens, composição de jardins, parques e até calçadas públicas.

Os arquitetos, de maneira geral, costumam apontar os pisos drenantes como ótima solução ecológica para áreas que necessitam de permeabilidade. Por isso, eles têm sido usados em grandes projetos de paisagismo e urbanização.

No entanto, os pisos drenantes não devem ser pensados apenas como soluções externas. Eles são ótimos para quem quer redecorar a casa e repaginar todo o piso interior. Ele é considerado sustentável uma vez que há muita porosidade em sua superfície, e justamente essa característica é que ajuda a devolver a água par o solo, para o meio ambiente.

Em cozinhas mais rústicas, os pisos drenantes têm sido uma das grandes apostas dos arquitetos. A cozinha é um ambiente da casa que precisa de limpeza constante e nada melhor do que poder lavar, mesmo que com pouca água ou água de reuso. A cozinha fica limpa e seca muito rapidamente, deixando mais fácil até mesmo o trabalho de quem irá fazer a limpeza.

Mas é bom também esclarecer que há diferentes pisos drenantes e que cada tipo é mais indicado para uma área do que outro. Eles podem ser do tipo intertravados, pisograma ou drenantes, feitos com diferentes tipos de materiais, tais como resinas, pedras ou cimetícios.
Todos eles têm a mesma função permeável, o que varia é a porcentagem de drenagem dos mesmos. Quanto mais drenante, mais indicado para áreas externas.

Use Porcelanato em Todos os Cômodos da Casa

Para quem está querendo redecorar a casa e fazer a mudanças dos pisos, para dar um ar de mais modernidade aos ambientes, uma aposta bastante assertiva é apostar no uso de porcelanato.

O porcelanato é um tipo de revestimento que foi criado no final dos anos 1970, e que hoje se encontra no que os decoradores consideram o auge de sua popularidade, assim como o momento em que este tipo de piso apresenta o mais alto nível de qualidade. Como se trata de um revestimento de alta tecnologia e feito à base de cerâmica, ele pode ser usado em todos os ambientes da casa, mesmo que seja nos quartos e salas.

O porcelanato possui algumas características que o distinguem de um revestimento comum. A primeira delas é quanto a absorção de água. O porcelanato por ser minimamente poroso, possui baixíssima absorção de água. Além disso, sua enorme variedade de texturas e acabamentos permite que seja utilizado em praticamente qualquer espaço da casa – interno ou externo, em pisos ou paredes. No mercado hoje, há uma grande quantidade de fabricantes e fornecedores de porcelanato. A diversidade de modelos e preços é bastante grande, popularizando ainda mais esse tipo de revestimento que apresenta também um alto padrão de durabilidade.

Em geral, o porcelanato apresenta medidas a partir de 45 x 45 cm. No entanto, há medidas bem maiores. Algumas placas podem chegar a ter até 2 metros quadrados. Quanto a espessura, a média apresentada pelas peças é de 10 mm, mas é possível também encontrar algumas marcas que comercializam porcelanato em espessuras um pouco mais finas, que não chegam a ser igualadas aos revestimentos comuns.

Para quem quer formatos de espessura e tamanhos diferenciados – placas grandes ou mais finas deve saber que se trata de uma tendência no mundo da arquitetura e decoração. Mas vale lembrar que o profissional que irá assentar os porcelanatos deve ser altamente qualificado e já possuir experiência na colocação dessas peças, isto porque elas devem ser manuseadas com relativo cuidado, para não quebrar e ainda não ficarem colocadas fora de padrões especificados pelos fabricantes.

Na hora de fazer a escolha e a compra, é imprescindível que além de beleza, preço e qualidade, um outro item seja verificado: o PEI. O PEI é a indicação de dureza de cada peça. Ela indica a resistência da camada de esmalte do porcelanato em relação ao movimento de indivíduos, objetos e veículos, podendo ir de 0 a 5.

Vantagens e Desvantagens de Alguns Tipos de Piso

Quem está se ocupando com a decoração dos ambientes da casa, e está na etapa da escolha de pisos e revestimentos, precisa conhecer as vantagens e desvantagens de alguns tipos de pisos antes de fazer a escolha por um deles. Embora o piso vinílico e o cimento queimado sejam algumas tendências da atualidade, eles também possuem alguns problemas a curto, médio e longo prazo. Saber avaliar a qualidade do material, aliado ao preço e a sua funcionalidade, será decisivo no momento da escolha. Nunca faça a compra de um piso apenas por ele ser bonito ou estar na moda.

As opções de tipos de piso são variadas. Existem cores e materiais diferentes e tudo vai depender do gosto e da necessidade de cada morador.

O piso vinílico e o cimento queimado são as novas tendências do mercado de revestimento. O cimento queimado é um material que vem ganhando maior visibilidade, já que tem um aspecto mais rústico, imitando o concreto. Já o vinilico é muito resistente e, além disso, é produzido com materiais recicláveis.

No entanto, mesmo com o crescimento da procura por outros modelos de pisos, os  pisos frios como porcelanato, cerâmica e antiderrapante ainda têm bastante procura e são concorrentes dos pisos de madeira. E o mais importante é saber em qual ambiente o revestimento será colocado. O critério básico na hora de fazer a escolha ou um ou outro deve ser  em qual área o piso frio vai ser colocado, área molhada ou seca, interna ou externa.

O piso vinílico possui instalação fácil e rápida e a superfície precisa estar uniforme e limpa. O material não mancha, é antialérgico, muito resistente e com alta durabilidade, não faz barulho ao andar e tem diversas cores e formatos. A limpeza é feita apenas com pano úmido e representa uma alta economia para a obra. O custo médio do vinílico é de R$ 50 por metro quadrado sem contar a instalação. No entanto, não é recomendado para áreas externas, úmidas ou que tenham muito contato com água, como, por exemplo, o banheiro.

Já o taco é um piso atemporal, hipoalérgico e que aceita todo tipo de decoração, sendo acolhedor e aconchegante. É versátil, muito duradouro e a limpeza diária é simples, feita com vassoura, pano úmido e produtos específicos para a conservação da madeira. O custo médio dos tacos é de R$ 200 por metro quadrado. O alto custo e o tempo de instalação podem ser fatores contra o taco, que é mais trabalhoso do que os outros pisos.

O cimento queimado, por sua vez, é fácil de ser aplicado e deve ser colocado em uma superfície lisa e nivelada. É ideal para quem quer uma obra rápida e pode ser usado em áreas internas e externas. Para ter uma durabilidade prolongada, é necessário aplicação de resina com base acrílica por cima da massa ainda úmida e tem a versatilidade na hora de decorar a casa. Se não for aplicado de maneira correta, apresentará fissuras.

Entenda Mais Sobre Porcelanato e Cerâmica Para Evitar Problemas Futuros

Quando as pessoas estão escolhendo pisos e revestimentos para decorar as suas casas, é importante ter conhecimento exato sobre alguns tipos de pisos, em especial as cerâmicas e os porcelanatos. Isto porque estes costumam ser os pisos mais comuns a serem escolhidos, não somente por conta da beleza ou de modismos, mas também por serem os mais convencionais. No entanto, assim como qualquer outro material, é importante saber exatamente as características de cada um deles, para não ter problemas futuros.

E não é apenas isto. Na hora de fazer a escolha do piso, as pessoas comumente se encantam com as cores, as texturas, o brilho e a marca. É importante que além de escolher bem o material, haja a preocupação com a qualidade do serviço da mão de obra. Se a instalação não for bem feita, todo o material poderá ser perdido.

Antes de fazer a escolha do material, considere o tamanho do ambiente, porque placas muito grandes são mal aproveitadas em cômodos pequenos porque o pedreiro vai ter que fazer muitos recortes. Caso a escolha seja para uma área molhada como os banheiros e as cozinhas, escolha um piso antiderrapante. Deixe os pisos mais lisos para as áreas secas como para as sala e os quartos.

Se o piso escolhido for o porcelanato, confira se o escolhido é um produto de qualidade A (extra) que atende a todas as normas técnicas de qualidade. Isso vem indicado na etiqueta ou na caixa do produto. Lá também pode haver uma indicação de que o produto segue a NBR 15463 ou a NBR 13818, que são as normas de qualidade. Caso não possa ver a embalagem na loja, peça para o vendedor confirmar. A qualidade A indica que os pisos têm tamanhos regulares e que não há defeitos na superfície.

Também há uma linha conhecida como linha comercial (ou linha “C”), que são peças com algum tipo de defeito. Elas são mais baratas, no entanto, no momento da colocação, haverá mais perda e irregularidades na hora de instalar. Se o seu sonho é deixar o rejunte bem fininho, lembre-se de escolher entre os pisos retificados, que é o corte bem certinho da peça. Há porcelanatos lindos que não são retificados e tem as bordas irregulares. Para estes, o rejunte fininho não vai funcionar.

Se o piso for cerâmica, o tipo A ou ‘cerâmica de primeira linha’ é a melhor: 95% das peças não apresentam defeitos visíveis. A cerâmica tipo C ou tipo B, chamada de segunda linha por alguns fabricantes, tem defeitos visíveis, mas os fabricantes garantem que a peça é tão resistente quanto a do tipo A. E há ainda uma terceira linha, também chamada de refugo, que é a cerâmica tipo D. Além de possuir defeitos visíveis, as peças dessa linha não tem garantia de resistência do fabricante. Veja esta informação no verso da embalagem de piso.